Horários de atendimento: Segunda à sexta, das 09:00 às 18:00

Avenida João Gualberto, 1342 - Sala 504 - Curitiba (PR)

Diagnóstico do TDAH em adultos: por que é tão difícil?

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um transtorno comumente associado à infância, pois é nesta idade que ocorre a grande maioria dos diagnósticos. No entanto, trata-se de um transtorno neurológico crônico que não vai embora à medida em que a pessoa envelhece, embora seja possível, com um tratamento adequado, minimizar os efeitos na vida adulta.

Neste artigo, iremos explorar os motivos pelos quais o diagnóstico de TDAH pode ser tão difícil na idade adulta, bem como o porquê este transtorno é tão diagnosticado na infância (e, possivelmente, de forma errônea).

Por que as pessoas diagnosticadas com TDAH são principalmente crianças?

Em geral, os primeiros sinais do TDAH são notados na escola, quando a criança tem dificuldade para se concentrar, conversa muito com os colegas, não consegue ficar sentada na carteira por muito tempo e precisa se levantar com frequência.

A criança com TDAH na escola frequentemente é aquela criança “bagunceira”, que não importa quantas vezes os professores conversem e peçam colaboração, são simplesmente incapazes de se adaptar ao modelo de sala de aula no qual é preciso ficar sentado na carteira durante horas a fio.

Toda criança “bagunceira” tem TDAH?

Não necessariamente. Embora exista este estereótipo, nem toda criança mais ativa tem TDAH. Neste sentido, é possível pensar que muitas crianças são desnecessariamente diagnosticadas como crianças com déficit de atenção quando, na realidade, são apenas crianças mais extrovertidas e energéticas que as outras.

Como este tipo de personalidade não se adapta muito bem às salas de aula, um corpo docente desinformado pode confundir com TDAH e encaminhar a criança para uma avaliação psiquiátrica.

Vale lembrar que, se tratando de uma criança, muitas vezes a palavra dos adultos tem mais valor, e ao relatar os comportamentos que se assemelham ao comportamento de uma criança com TDAH, é possível que muitas crianças sejam erroneamente diagnosticadas.

Em geral, para diagnosticar o transtorno, é necessário uma bateria de testes para avaliar as funções cognitivas, tanto em crianças como em adultos. Contudo, sabemos que não vivemos em um mundo ideal no qual se seguem os protocolos de maneira correta, e existem sim médicos que dão o diagnóstico sem ter o amparo dos testes.

Desta forma, acabamos tendo uma “epidemia” de crianças com TDAH que, ao crescerem, deixam de apresentar estes comportamentos e de repente se tornam adultos perfeitamente funcionais, contribuindo para o mito de que o TDAH adulto não é uma realidade.

Toda criança que tem TDAH é “bagunceira”?

Também não. Embora o nome do transtorno seja transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, nem sempre este último está presente.

Nestes casos, trata-se de uma criança que não exibe tantos comportamentos hiperativos, como a impulsividade e a necessidade de levantar com frequência da carteira, e desta forma a única indicação que ela pode ter algum problema é o seu desempenho escolar.

Contudo, nem toda criança com TDAH tem um desempenho escolar ruim. Existem crianças que, mesmo tendo dificuldade em prestar atenção na aula, conseguem aprender o conteúdo por outros meios — seja fazendo o dever de casa, lendo sobre o assunto em outros momentos, ou até mesmo pedindo ajuda para os colegas e os pais —, e assim ela consegue manter um desempenho escolar satisfatório.

Essa criança, apesar de sofrer com o problema, pode acabar passando seus anos de infância sem um diagnóstico, sendo frequentemente chamada de “lerda” ou “distraída”, mas sem apresentar comportamentos problemáticos o suficiente para que alguém desconfie de que ela pode estar sofrendo com um transtorno neurológico.

Como é o TDAH no adulto?

Um adulto que foi diagnosticado durante a infância teve a oportunidade de realizar tratamentos que ajudassem a desenvolver técnicas de manejo dos sintomas. Por isso, em adultos tratados, o transtorno pode até mesmo parecer invisível. No entanto, este adulto ainda lida com uma série de sintomas e limitações que são impostas pelo TDAH.

Já em adultos que não foram diagnosticados e tratados durante a infância, o transtorno também pode parecer invisível. Isso porque, à medida em que essa pessoa foi amadurecendo, passou a desenvolver uma série de comportamentos para compensar as limitações impostas pelo transtorno — comportamentos que podem ou não ser saudáveis.

Sintomas como dificuldade de concentração, distraibilidade, dificuldade em manter a organização, má gestão de tempo e até mesmo sensibilidade emocional se fazem presentes diariamente no dia-a-dia destes adultos, causando diversos prejuízos em suas atividades e até mesmo relações interpessoais.

Alguns sintomas para ficar atento em adultos que podem indiciar um TDAH não diagnosticado na infância são:

  • Desatenção;
    • Falta de atenção aos detalhes;
    • Dificuldade para começar ou concluir tarefas;
    • Dificuldade para estabelecer prioridades;
    • Dificuldade em se concentrar ou regular a atenção;
    • Esquecimento;
    • Má gestão de tempo;
    • Desorganização;
    • Dificuldade para realizar mais de uma tarefa ao mesmo tempo (multitasking);
    • Dificuldade para fazer planos;
  • Impulsividade;
    • Inquietação;
    • Interromper os outros com frequência;
    • Falar de forma excessiva;
  • Desregulação emocional;
  • Baixa tolerância à frustração.

Por que o adulto com TDAH não é diagnosticado com frequência?

Existem vários motivos. Dentre eles estão:

  • dificuldade em reconhecer o problema;
  • acreditar que o problema é uma falha na personalidade;
  • levar apenas queixas emocionais ao psiquiatra;
  • sintomas que se sobrepõem.

Dificuldade em reconhecer o problema

Uma das maiores dificuldades causadas pelo TDAH é na função executiva, uma função cognitiva que permite que nós percebamos e monitoremos nossas ações e necessidades.

Uma pessoa com TDAH frequentemente tem dificuldade em perceber as coisas. Não se trata apenas de não perceber um corte de cabelo novo no parceiro, mas até coisas mais graves como a própria fome ou sede. Dependendo do caso, a pessoa pode passar horas com o estômago roncando sem perceber que está com fome.

Não sendo capaz de perceber até coisas simples como necessidades fisiológicas, dificilmente essa pessoa conseguirá perceber que não consegue fazer as coisas de forma adequada em sua vida.

Ao se deparar com consequências negativas, pode não conseguir traçar a relação de causa e efeito entre o que fez ou deixou de fazer e essa consequência que está recebendo no momento.

Essa pessoa muito provavelmente só irá procurar ajuda especializada por indicação de outras pessoas, ou quando sua vida estiver tão prejudicada que acaba por desenvolver problemas emocionais.

Acreditar que o problema é uma falha na personalidade

Frequentemente, o adulto com TDAH é visto como “avoado”, “indisciplinado” e até mesmo “preguiçoso”. Os amigos, familiares e empregadores todos sustentam essa narrativa, e a própria pessoa acaba pegando estes adjetivos para si.

Ela realmente acredita que o problema dela é que ela é todos esses adjetivos pejorativos. Ela não consegue compreender que se trata de um problema neurológico que pode ser tratado e que é possível ter uma vida de qualidade mesmo com as limitações impostas pelo TDAH.

Desta forma, frequentemente adultos com TDAH só procuram ajuda em saúde mental quando o mundo ao seu redor está “caindo aos pedaços”. Quando já não consegue manter um emprego, percebe que não consegue dar conta nem mesmo das coisas que deseja fazer para si mesmo, tem grandes prejuízos nos relacionamentos etc.

Levar apenas queixas emocionais ao psiquiatra

Um TDAH adulto não tratado está frequentemente relacionado ao desenvolvimento de um episódio depressivo, no qual a pessoa sente que não tem controle algum sobre sua própria vida, tem uma autoestima rebaixada, sente-se desanimada e incapaz. Nestes casos, frequentemente a pessoa leva ao psiquiatra uma queixa muito parecida com a trazida por pacientes em episódios depressivos.

Assim, é frequente que o primeiro diagnóstico desta pessoa seja de um episódio depressivo, e não de um transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. A pessoa inicia o tratamento para depressão e, embora seu humor possa melhorar, ela continua lidando com os mesmos problemas: distraibilidade, incapacidade de iniciar ou concluir tarefas, dificuldade em criar uma rotina disciplinada, entre outras.

Não é raro que as pessoas desistam do tratamento aí: por terem uma melhora apenas no humor e não no problema raiz, podem acabar achando que o tratamento é ineficaz de resolvem abandoná-lo. No entanto, um acompanhamento bem feito pode ajudar o paciente a perceber que, talvez, exista algo a mais além do humor.

Isso quer dizer que, ao continuar indo no psiquiatra e psicólogo para dar continuidade ao tratamento, os profissionais da saúde vão tentar compreender porque, mesmo com o tratamento, ainda há uma série de problemas que não foram solucionados.

À medida em que a investigação avança, o psiquiatra pode perguntar sobre a rotina, sobre sintomas de distraibilidade e impulsividade, que podem indicar um possível déficit de atenção e hiperatividade. Neste momento, pode ser requisitada a realização de testes para avaliação das funções cognitivas, a fim de conferir se realmente há algum problema com a atenção ou não.

Sintomas que se sobrepõem

Como explicado anteriormente, muitas vezes a pessoa chega no psiquiatra com queixas mais emocionais do que queixas relacionadas aos sintomas do TDAH. Contudo, além disso, ainda há uma série de sobreposições entre os sintomas de diversos transtornos mentais.

A função executiva, que é o principal fator prejudicado pelo TDAH, também é prejudicada em outros transtornos, como o transtorno bipolar, transtorno de espectro autista, transtorno depressivo, entre outros.

Algumas características de um transtorno podem ser confundidas com características de outros, como é o caso do hiperfoco no TDAH e da mania no transtorno bipolar.

Em hiperfoco, a pessoa com TDAH consegue realmente focar em uma atividade ou assunto específico. Inicia projetos relacionados àquele assunto, tem uma alta produtividade que normalmente não tem, entre outros.

Isso pode ser confundido com um episódio maníaco, que é caracterizado por uma elevação do humor, maior disponibilidade e energia para fazer as coisas, maior produtividade etc.

A diferença é que, no hiperfoco, tudo isso está ligado a um assunto ou atividade específica, enquanto na mania isso se manifesta de uma forma mais generalizada por um determinado período de tempo.

Além disso, é possível que uma pessoa tenha tanto TDAH quanto transtorno bipolar simultaneamente, e o diagnóstico de um pode acabar negligenciando o outro.

Portanto, a diferenciação entre estes transtornos que se sobrepõem pode não ser muito fácil de primeira, e podem ser necessárias algumas sessões até que se possa chegar ao diagnóstico mais adequado.

Exemplos de como o TDAH pode afetar a vida adulta

O TDAH pode ter vários desdobramentos na vida adulta. Os sintomas como dificuldade de se concentrar, dificuldade em persistir em tarefas e má gestão de tempo podem trazer inúmeros prejuízos para uma pessoa. Aqui vão alguns exemplos:

Tarefas domésticas

A pessoa que sofre de déficit de atenção e hiperatividade pode ter dificuldade em realizar as tarefas domésticas por vários motivos.

As tarefas domésticas são frequentemente cheias de etapas que podem facilmente ser esquecidas por pessoas com TDAH, ou a pessoa pode ter dificuldade em iniciar essas tarefas, ou até mesmo dificuldade em perceber quais tarefas precisam ser feitas!

Frequentemente, uma pessoa com TDAH inicia uma tarefa doméstica, se distrai, larga pela metade e acaba não voltando para a tarefa mesmo depois de horas ou até mesmo dias.

Um exemplo bom é lavar as roupas em máquina de lavar: após colocar a roupa na máquina, é preciso esperar um tempo para que ocorra todo o processo de lavagem para poder tirá-la e pendurá-la, certo? Se já é comum para pessoas sem TDAH esquecerem a roupa na máquina por horas depois de colocar a roupa para bater, para a pessoa com TDAH isso é mais fácil ainda. Para conseguir lavar e estender as roupas no mesmo dia, muitas pessoas com TDAH desenvolvem estratégias para lembrá-las.

Uma estratégia frequentemente usada por praticamente todo mundo é anotar o que tem que ser feito, mas para uma pessoa com TDAH nem sempre esta estratégia funciona. Isso porque ela pode pegar o papel e a caneta na mão e instantaneamente esquecer o que ia anotar, ou ao conseguir anotar, esquecer de checar a lista várias vezes ao dia para ver se está conseguindo fazer as coisas, ou até mesmo esquecer de marcar as tarefas finalizadas como completas, etc.

Resumindo, para uma pessoa com TDAH, as tarefas domésticas podem se tornar um “barulho de fundo” frequentemente esquecido enquanto a pessoa está hiperfocada em outra coisa, e estas tarefas podem acabar sendo negligenciadas ao longo do tempo.

Relações interpessoais

Existem várias maneiras que o TDAH pode atrapalhar nas relações interpessoais. A primeira e que ocorre com bastante frequência com qualquer pessoa é o esquecimento de compromissos e datas importantes. Na pessoa com TDAH, esse esquecimento parece mais uma regra do que uma exceção.

Além disso, a hiperatividade pode dar a impressão de que a pessoa não está ouvindo a outra falar, a distrabilidade pode fazer o locutor se sentir falando com as paredes, e frequentemente a pessoa com TDAH realmente precisa que os outros repitam o que falaram pois não conseguiu prestar atenção. Ao longo do tempo, isso pode levar a sentimentos negativos dentro da relação.

Outra coisa comum em pessoas com TDAH é a uma sensibilidade emocional que pode levar a diversos desentendimentos nas relações interpessoais.

Vida acadêmica ou profissional

Em função de sintomas como má gestão de tempo, desorganização, tendência à procrastinação, esquecimentos e dificuldade com detalhes, levar uma vida acadêmica ou carreira satisfatória pode ser um desafio para pessoas com TDAH.

Mesmo aqueles que não apresentaram dificuldades escolares na infância podem apresentar dificuldades acadêmicas na idade adulta, tendo dificuldade em cumprir prazos, fazer trabalhos, entre outros.

Da mesma forma, a vida profissional pode ser afetada. Mesmo com um emprego em que haja prazos flexíveis, a desatenção aos detalhes pode levar a pessoa com TDAH a entregar resultados não muito satisfatórios, o que pode prejudicar sua carreira como um todo.

É mais difícil para pessoas com TDAH conseguir um emprego e, quando conseguem, também é mais difícil conseguir mantê-lo, quando comparado a pessoas sem déficit de atenção.

Outros impactos na vida adulta

Embora o exemplos acima sejam bem comuns, nem sempre eles estão presentes na vida de uma pessoa com TDAH — especialmente se ela aprendeu técnicas para compensar suas limitações —, e também há outros possíveis impactos que podem ocorrer. Dentre eles:

  • Maior tendência a sofrer acidentes por conta da distraibilidade e falta de atenção aos detalhes;
  • Abuso de substâncias, tanto lícitas quanto ilícitas, é frequente em pessoas com TDAH;
  • Presença de comorbidades como transtornos ansiosos, episódios depressivos e transtorno de abuso de substância.

O transtorno de déficit de atenção pode ser difícil de diagnosticar tanto em crianças quanto em adultos, sendo necessária muita cautela. O médico responsável deve seguir protocolos e, se possível, encaminhar o paciente para uma avaliação psicológica a fim de avaliar suas funções cognitivas e checar se elas condizem com um déficit de atenção e hiperatividade ou não.

Se você é um adulto que frequentemente se frustra por esquecer as coisas, ter dificuldades com prazos, sente que é mais difícil para fazer dar conta de tudo que as outras pessoas geralmente dão conta, não hesite em procurar um profissional da saúde mental!

Referências

https://www.additudemag.com/adhd-in-adults/

https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/adult-adhd/symptoms-causes/syc-20350878



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.